Tema de Redação

ATUALIDADES | Perspectivas e desafios da educação à distância no Brasil

Equipe RND
Escrito por Equipe RND em 14 de abril de 2020
ATUALIDADES | Perspectivas e desafios da educação à distância no Brasil
Aprenda a escrever uma Redação Nota Dez

Receba nosso conteúdo em seu e-mail:

A partir da leitura e reflexão sobre os textos de apoio abaixo, escreva um texto dissertativo-argumentativo no qual você discorra sobre o seguinte tema: Perspectivas e desafios da educação à distância no Brasil. Caso julgue necessário, busque leituras adicionais.

Não deixe de fazer o seu brainstorm -> esqueleto -> rascunho.

TEXTOS DE APOIO

Texto 1

Nem mesmo os maiores entusiastas poderiam prever o sucesso do EAD no Brasil. Tecnicamente falando, as primeiras formas de ensino a distância no mundo começaram por meio de correspondências antes mesmo de 1900 e, no país, até mesmo a Marinha lançou um curso nessa modalidade em 1939. Com os avanços tecnológicos, o rádio e a televisão também foram adotados como canais para o ensino a distância, acompanhando o aumento do acesso a estes veículos. E não foi diferente com a popularização da internet e desenvolvimento de novas plataformas digitais.

O EAD, como conhecemos hoje, está cada vez mais próximo da vida dos brasileiros. Uma reportagem da revista Veja, com dados do Inep/MEC e Hoper Educação, mostra um panorama dessa área: 1,5 milhão de estudantes foram matriculados na modalidade em 2016, apenas considerando a graduação, contra 60 mil alunos em 2004 – de 2015 a 2016 o número de novos ingressos cresceu 21,4%.

(…)

O modelo de ensino presencial é predominante em diversas sociedades e vem sendo adotado durante séculos. Isso não é à toa: esta modalidade tem suas vantagens e méritos. Colocar os estudantes e professores/instrutores cara a cara tem seus efeitos benéficos, afinal, o ser humano é um ser social, que precisa de contato com outros de sua espécie. A troca de ideias nessa situação é bastante comum, ajudando a fortalecer e melhorar o conhecimento de todos. 

No entanto, por melhor que seja, toda metodologia tem suas lacunas. E não seria diferente neste caso: o modelo de ensino presencial tem suas limitações ao depender completamente de horários fixos e um espaço físico para funcionar. Não é possível uma aula acontecer sem ter um local ou uma data de encontro. Esta condição inerente acaba afastando vários estudantes – de diversas idades – do aprendizado por terem dificuldades de tempo, deslocamento ou até falta de recursos financeiros. É um desafio participar todas as noites da aula para quem trabalha o dia inteiro, ou então fazer um curso em Harvard ou em Oxford alguém que não tem condições de viajar até os Estados Unidos ou Inglaterra. 

Outra lacuna importante de se considerar é como os recursos multimídia são tradicionalmente pouco utilizados no ensino presencial. Mesmo com tecnologias como televisores, rádios e projetores, em muitos lugares essas ferramentas são usadas uma vez ou outra, valorizando mais o conteúdo textual, disponível nos livros e apostilas, e no conhecimento oral do professor/instrutor. Esta situação pode ser uma barreira para o aprendizado de pessoas que assimilam melhor os conhecimentos com estímulos diferentes, como vídeos, áudio e modelos ativos. [Leia o texto completo]

Fonte: A evolução do EAD no Brasil frente à educação presencial | Ludos Pro

Texto 2

Os números do ensino superior mostram bem as consequências do efeito do desastre em que se transformou o Programa de Financiamento Estudantil (Fies), que há quatro anos começou a dar os primeiros sinais de queda e teve a derrocada final com mudanças de regras e a criação do Fies privado. Em 2015, justamente em seu auge da concessão de benefícios e quando começaram as primeiras dificuldades, as matrículas presenciais caíram de 486.924 para 468.821, em 2017. No mesmo período, a EAD subiu de 613.984 para 635.881.

(…)

Outro programa que também viu suas vagas diminuírem foi o Universidade para Todos (Prouni). Como as bolsas são proporcionais ao número de alunos, reduzindo a quantidade daqueles na modalidade presencial, diminui também a disponibilidade do benefício. A curva ascendente, e de maneira vertiginosa, ficou por conta das modalidades de crédito oferecidas pelas próprias instituições de ensino.

Em 2015, o Fies teve seu auge, com quase 1,4 milhão de matrículas. No ano seguinte, caiu para 1.251.815 e despencou no ano seguinte até chegar, em 2018, a 821.122 alunos. O Prouni se manteve relativamente estável até 2017, mas ano passado sentiu o baque da queda na rede privada, saindo de 609.434 bolsas em 2017, para 575.099 no ano passado. Desde 2015, bolsas e financiamentos feitos diretamente com as universidades vêm numa crescente, saindo de pouco mais de 800 mil naquele ano para o dobro três anos depois. [Leia o texto completo]

Fonte: Graduação na sala de casa? Educação a distância avança mais rápido no Brasil | EM Estado de Minas

Texto 3

A educação a distância no Brasil despontou como uma opção viável e democrática de graduação para uma parcela da população que não tinha acesso ao ensino superior. Seja por estar longe do campus universitário ou por falta de renda para arcar com os custos. No entanto, apesar do crescimento ano após ano da educação a distância, a modalidade enfrenta diversos desafios.

Veja abaixo os principais:

Desigualdade na EAD: a falta de consistência em padrões para regulamentar a educação a distância no Brasil ainda é uma realidade. Os órgãos governamentais responsáveis pela avaliação da qualidade da educação virtual não têm um padrão definido. E esta situação leva à falta de credibilidade do sistema por parte da população.

Percepção social: mesmo com muitos cursos EAD oferecendo alto nível de qualidade, ainda há uma resistência em relação ao conteúdo que é transmitido via online. Algumas pessoas veem a educação a distância no Brasil com receio e acreditam que não há qualidade no ensino. Portanto, o principal desafio está na conscientização da população sobre os benefícios que a educação a distância no Brasil traz para todos.

Capacitação docente – por ser um fenômeno ainda recente, a educação a distância exige competências e recursos tecnológicos específicos. Por isso, os professores precisam estar atentos às mudanças e sempre atualizados para oferecer aos alunos metodologias eficientes que respondam às demandas do mercado de trabalho. [Leia o texto completo]

Fonte: Desafios da educação à distância | Minha Biblioteca

Texto 4

Boa produção!
Um abraço,
Equipe Redação Nota Dez

Olá!

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *